PF deflagra segunda fase de operação que investiga fraudes em aposentadorias.

Durante a primeira fase se estimou um prejuízo de aproximadamente R$ 3,7 milhões.

Nesta terça-feira (11), a Polícia Federal deflagrou a segunda fase da Operação Octopus, para combater fraudes em aposentadorias por idade, por tempo de contribuição e pensões por morte. Dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Curitiba e Paranaguá, no litoral do Estado.

De acordo com a Polícia Federal, o objetivo desta fase da operação foi apreender documentos relacionados às fraudes que já tinham sido descobertas na primeira fase, realizada em 14 de maio deste ano, quando a investigação identificou que, para obter os benefícios fraudulentos, a organização criminosa criou mais de 800 vínculos empregatícios fictícios.

As investigações começaram em 2017, depois de denúncias recebidas pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Durante a primeira fase, a CGINT estimou um prejuízo de aproximadamente R$ 3,7 milhões, com o pagamento de 53 benefícios obtidos de forma fraudulenta.

Atualmente, um dos principais suspeitos de cometer o crime está preso preventivamente. Outro homem, que teria envolvimento na ação, teve a prisão preventiva decretada e está foragido.

Os investigados já identificados poderão responder pelos crimes de associação criminosa, estelionato e inserção de dados falsos em sistemas corporativos do Governo Federal, com penas que podem chegar em até 20 anos de prisão.

Colaboração Polícia Federal

Comentários