Dono do Madero, Júnior Durski, volta às redes sociais e diz não estar arrependido do que disse.

Durski diz que a sua crítica no vídeo anterior era com as medidas que ele considera desproporcionais

Fonte: BEM PARANÁ

O empresário e dono do Madero, Júnior Durski, fez uma nova postagem nas redes sociais após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro minimizando os riscos da pandemia. Durski, ao contrário do vídeo em que se desculpava por seu posicionamento, declara não estar arrependido do vídeo em que disse que o Brasil não poderia parar por causa de 5 mil ou 7 mil mortes pelo coronavírus. 

"Não me arrependi em nada do  que falei. O confinamento, do jeito que está, é um absurdo. Se a economia não funciona, o governo não funciona, e nada funciona. Com esse lockdown, vão morrer 5 mil agora e depois mais milhares por falta de saneamento, porque não terá segurança, por fome", disse ele ao colunista Lauro Jardim, do jornal "O Globo". 

Nesta terça-feira, 24, menos de um dia depois dele postar um vídeo no Instagram onde falava que o Brasil não poderia parar por causa de 5 mil ou 7 mil mortes pelo coronavírus (veja aqui), o empresário e dono do Madero, Júnior Durski, fez nova postagem, e pediu desculpas. "Eu peço desculpas! Por favor, me desculpem se fui mal interpretado", escreveu.

"Eu me incomodo e me preocupo muito com cada uma das pessoas que já estão morrendo ou que morrerão por conta do coronavírus. Não tenho dúvidas de que não podemos deixar ninguém para trás", fala no vídeo.

Durski diz que a sua crítica no vídeo anterior era com as medidas que ele considera desproporcionais, como fechar feiras e pequenos comércios, que poderiam até ajudar a evitar aglomerações maiores, já que pegariam um público local e restrito.

Comentários